A praxe não é violenta... mas desisti.

Se há coisa que fiz questão em fazer quando entrei para a universidade foi a de experimentar a praxe. Sobre este tema são imensas as vozes a favor e contra. Ouvem-se imensas versões e testemunhos ainda muito antes de se entrar nesta nova fase, "obrigando" quase a que tenhamos já uma opinião formulada.
Cada pessoa tem a sua maneira de ser e de reagir a tudo. Com a praxe, acontece o mesmo. Há quem adore, há quem odeie. Não se pode generalizar.
Visando ter uma opinião formada e de falar desse tema com conhecimento de causa, entrei na praxe para ver como tudo aquilo era. Aprendi várias canções do meu curso, conheci dos doutores e outros tantos alunos do curso mas de 2º ano. Conheci os demais caloiros de Economia e os CP's. Enchi e fiz prancha vezes sem conta.
Cheguei a pontos de ter prejudicado as minhas cordas apenas com o orgulho de cantar de ser de Economia. Não, nunca os doutores me obrigaram a fazê-lo, até porque sabiam do problema de cordas que tenho. Chegaram mesmo a ameaçar que, caso berrasse, enchia! A isso só me culpo a mim e ao meu orgulho de ter entrado no curso que queria.
Nesse aspeto, não tenho nada a apontar. Depois vêm outras tantas coisas às quais senti não me identificar com tal coisa. Começando pelo facto de me cansar tanto ao ponto de a meio da manhã quase cair de cansaço de tanto encher, foi apenas o início de me ter dado conta que afinal não acho assim tanta graça à praxe. Não considero que a fazer flexões e a fazer prancha nos integremos e conheçamos melhor os colegas.
Regressei a casa a conduzir com os braços mais doridos do que nunca. Jurei nunca mais pegar num carro com tamanho cansaço, até porque era a MINHA vida que estava a pôr em jogo em cerca de 50 kms de autoestrada que tem alguns pontos "perigosos". Podemos sentir que estamos bem, mas não estamos.
Depois há a parte "dos que praxam". Não achei que alguns fossem o melhor exemplo, muito pelo contrário. Certas atitudes não eram, de todo, as mais louváveis e aceitáveis.
A praxe não é violenta. Há doutores impecáveis e outros nem tanto. A praxe é sim, dura e, no caso do meu curso, exige um pingo de força mental e uma grande onda de "vamos lá, que se foda". Exige que te organizes de forma bem rigorosa até porque dizes adeus a quatro tardes livres da semana. Tens de organizar o estudo de outra forma e ser rigoroso no cumprimento do horário que estipulas.
Olhar para o chão não é, a meu ver, integração. Não me revi na praxe e não sinto que seja algo que me complete. Tive muitos momentos de desconforto e de sensação de que estava a fazer algo que não gostava. Por isso mesmo, desisti da praxe.
Talvez tenha sido cedo. Talvez devesse ter experimentado um pouco mais... mas não é da minha pessoa bater na mesma tecla em algo que não tenha interesse.
Aos futuros caloiros, digo: experimentem a praxe, apesar de tudo o que ouvem. Se gostarem, aproveitem! Se se sentirem desconfortáveis, pensem bem. Não façam algo que vos deixe sentir desconfortáveis. E não, não se é "excluído" por não estar na praxe.
Volto a dizer que a praxe não é violenta, pelo menos na minha universidade. Não sou anti-praxe. Sou sim uma caloira que, por não se rever na praxe, desistiu dela. 

Resultado de imagem para código praxe

You May Also Like

18 comentarios

  1. Fizeste aquilo, que eu também deveria ter feito na altura... Sinto esse arrependimento em mim. Odiei a minha praxe, tenho más memórias... de pessoas "doutores" que so veem nos dias das praxes e nunca mais... andam com não sei quantas matrículas às costas, mas o que gostam é de praxar... há pessoas que se sentem maiores quando têm nas mãos "um poder"...
    eu entendo perfeitamente a tua posição! nem imaginas o alivio que senti no dia do batismo...
    http://www.cosmopolitgirl.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há praxes que são porreiras, mas não é o caso da minha. Se fosse a cumprir tudo, eu passava mais tempo na Praxe do que a estudar...

      Eliminar
  2. hmm... pois mas esse sofrimento é suposto representar o quanto vais sofrer na universiade. é para te "treinar"... na minha faculdade dizia-se que que nao aguenta as praxes, não aguenta o curso. :/
    mas pronto de nao tavas a gostar acho que fizeste bem!!

    beijinho
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acho que as práticas da praxe nos "treinem" para as dificuldades do curso, nem de perto nem de longe... Sim, não ia continuar a fazer algo que não gosto!

      Eliminar
  3. Eu vou para a universidade daqui a uns dias se for colocada. Queria mesmo experimentar a praxe. Tambén farei o mesmo que tu se não gostar!
    Beijinhos,

    A Cerejinha ♥ Haul Rosegal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Experimenta e logo verás se gostas ou não! Ao menos depois formas uma opinião com conhecimento de causa :) Boa sorte

      Eliminar
  4. senti-me exatamente como tu, não gostei, desisti. mas tambem nao me considero anti-praxe. simplesmente a praxe nao é para mim. Gostei muito, parabéns :)
    beijinhos
    http://eyeelement.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também assumo a mesma posição que tu :) Até porque há praxes que considero serem bastante engraçadas, o que não é o caso da minha :) Beijinho

      Eliminar
  5. Se não te sentias bem, fizeste muito bem desistir. Acima de tudo temos que gostar de nós, e não andarmos a sacrificarmos para sermos mais 'aceites'.
    Acho que também é uma questão de teres sorte com os doutores que apanhas, porque como no nosso dia a dia encontra-se gente de todo o tipo.
    Isso de olhar para o chão também concordo que seja ridículo, completamente ridículo.
    Beijinhos,
    An Aesthetic Alien | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se apanhasse doutores "decentes", com certeza que hoje ainda continuava a participar na praxe :) beijinho

      Eliminar
  6. se não te sentias bem, então fizeste bem em desistir. é preferível fazeres isso do que passares um ano inteiro a fazer algo contrariada ou de que não gostas só por causa da pressão dos outros. pelo menos, experimentaste a praxe e terás sempre uma opinião fundamentada :)
    beijinhos, Noelle :) http://supergirlinconverse.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Eu também não me identifico com a praxe em geral. Mas como em tudo há boas e más pessoas nas praxes. E disseste tudo Andreia...não se é excluido por não se aceitar a praxe.
    Beijinhos
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se é mesmo excluído, é verdade! Beijinho

      Eliminar
  8. Em parte, gostei de ser praxada e em parte não gostei. Gostei porque o facto de passarmos por aquele 'sofrimento' em conjunto fez com que eu e os meus colegas nos tornássemos próximos e houve momentos divertidos. Agora as flexões eram muito más e também tive dias em que não podia com os braços. Isso sim, não acho que faça sentido. Mas apesar de tudo, gostei, tenho boas recordações e eu fui praxada num curso de homens, engenharia mecânica, e nunca, em momento algum, me trataram mal. Como era a única rapariga, até tinham cuidado comigo e se preocupavam com o meu bem estar!

    Beijinhos
    http://popupbyana.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No fundo acabaste por ter tratamento "VIP" ahahahah
      Beijinho

      Eliminar
  9. Eu diverti-me muito na minha. Mas já lá vão uns anos grandes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim! E ficaste com boas memórias com certeza!

      Eliminar